AEROCULTURAL

Uma extensão para o museu do trabalho

04.jpg
D01-01.jpg

Aeromóvel como potencialidade projetual

Relação entre edificações

Oportunidade de conexão

orla x cidade

Condicionantes visuais

02.jpg

Diagrama axonométrico

Localização

03.jpg
IMPLANTAÇÃO_FINAL-01-01.jpg

Planta de localização

dpartido-01-01.jpg

[B]

[A]

[F]

[C]

[D]

[E]

TÉRREO-01.jpg

Planta Baixa Térreo

1 PAVIMENTO-01.jpg

Planta Baixa 2º Pavimento

PLANTA_2 PAV_FINAL 1200-01.jpg

Planta Baixa 3º Pavimento

05.jpg
DIAGRAMAESTRUTURAL-05-05.jpg

[A]

[B]

[C]

[D]

[E]

[F]

CORTE AA_FINAL 1200-01.jpg

Corte AA

CORTE BB_FINAL 1200-01.jpg
CORTES-02.jpg

Corte BB

Corte CC

Corte DD

01.jpg
cortedepele-01.jpg
detalhes-02.jpg

Detalhamento

06.jpg
03.jpg
04.jpg
02.jpg
01.jpg
N02.jpg
N01.jpg

   A temática deste trabalho surge a partir do interesse de investigar os potenciais e oportunidades de conexão entre a orla do guaíba e a cidade. O aeromóvel inacabado da Av. Loureiro da Silva se tornou emblemático na paisagem local. Enquanto algumas pessoas defendem sua permanência, dado seu aspecto de ruína pós moderna, outras acreditam que a melhor solução seria a remoção da estrutura que continua se deteriorando e no momento atual não tem nenhuma utilidade para a cidade.

   A proposta, portanto, seria de pensar no aeromóvel, hoje abandonado, como área de atuação projetual para se criar uma nova edificação onde possa resgatar não só a sua história, mas como a de outras edificações importantes no seu entorno e também servir de elemento conector entre a orla e a cidade. O museu do trabalho localizado na Rua dos Andradas tem uma grande importância e relevância no âmbito nacional. Porém nos dias de hoje, o museu enfrenta dificuldades para se manter em operação devida a falta de investimentos. Os recursos provém principalmente de suas próprias atividades culturais, dos recursos e oficinas que oferece, do consórcio de gravuras e do teatro. A proposta então se resume em utilizar a estrutura do aeromóvel como um novo espaço para o setor de gravuras e artes plásticas do museu do trabalho, gerando mais visibilidade para esta área que de fato é a que trás mais rentabilidade para manter o museu funcionando. Assim é possível solucionar a falta de espaço dos galpões e gerar mais renda para futuros investimentos na estrutura do museu.

Ficha Técnica

Equipe: Felipe Stockler

Orientação: Kátia Oliveira Ferreira

Localização: Porto Alegre

Ano: 2018

Metragem: 4.560 m²

Imagens: Palma Arquitetura